Ensaio sobre o cristianismo e o islã

O cristianismo e o islamismo são duas das religiões mais importantes como sua criação

. Islã significa submissão em árabe, e um muçulmano é definitivamente alguém que se submete à vontade de nosso deus (página 223 da web do Islã). Os cristãos eram chamados assim principalmente devido ao título de Jesus Christos, que é o idioma grego antigo do Messias (página 198 do cristianismo).

Ambas as religiões são extremamente semelhantes, com apenas um número de crenças e ensinamentos

ficando diferentes. Além disso, eles transmitem mensagens independentes para pessoas de fora em relação ao que suas crenças

representam. Ambas as religiões são monoteístas, com um conteúdo textual sagrado, e ambas se esforçam para superar o mal. O Islã tem um par de regras (5 Pilares do Islã) estabelecidas para alcançar a iluminação, embora os cristãos basicamente apenas pecem, se arrependam e, então, simplesmente sejam perdoados por seus pecados. O cristianismo pode ser descrito como uma fé muito mais fácil de participar

porque é muito mais tolerante com o que você pode e não pode fazer tão bem

desde quando e onde isso pode ser feito . O Islã também é uma porta de entrada mais fechada, porque realmente não envia missionários procurando pessoas que se convertam ao Islã. Para o cristianismo, Jesus de Nazaré era o libertador dos deuses do Messias (o ungido)

libertador, em cuja vinda os profetas haviam predito (Cristianismo, página 198). Jesus treinou a boa Palavra do Senhor, assim como sua obrigação como Filho de Deus. Acredita-se que ele também tenha realizado milagres, assim como curar a lepra e a cegueira, além de correr na água. As autoridades romanas e judaicas ficaram inquietas com a ameaça à organização que Jesus e seus apoiadores pareciam apresentar, e elas conspiraram com sucesso para executá-lo por crucificação (página 198 do cristianismo ).

Depois de Jesus ter sido crucificado para receber os pecados de todos os homens, ele foi presumido pelos crentes cristãos como tendo ressuscitado dos sem vida e depois ascendido à Felicidade. Após a morte de Cristo, sua vida e teorias foram redigidas com muitos contos (como eu gosto de chamá-los) sobre as realmente surpreendentes batalhas e realizações dos cristãos /

como histórias de sucesso sobre os seguidores da Frase de Deus. Todos esses contos e vários fatos históricos estão escritos na Bíblia, que é o texto sagrado dos cristãos. Isso explica como Deus criou a Terra, a criação na Terra e o homem e ensina como se tornar justo. O fundador do Islã foi seu Profeta Maomé, que era órfão da cidade de Great Place. Maomé acreditava ter sido procurado pelo anjo Gabriel, que lhe deu a base apenas para essas novas crenças religiosas. Os

Cinco Pilares do Islã seriam as leis e os regulamentos básicos para ser um bom muçulmano. Proclamando que

ainda não existe Deus, orando cinco vezes por dia diante de Meca, jejuando durante

horários determinados, dízimo para ficar carente, e uma viagem ao Lugar Ótimo pelo menos uma vez dentro de sua

vida. Vários muçulmanos incluem um sexto pilar, a jihad, que é traduzida em guerra santa (Variety, página 234). As teorias de Mohammed não foram elaboradas até sua morte, simplesmente porque não havia razão persuasiva para definir suas palavras e frases em uma forma definida

. Após a súbita morte de Mohammed em 632, o Califa Abu Bakr ordenou aos profetas animais de estimação que coletassem, por recursos orais e escritos

, todos os enunciados de Mohammed (Alcorão, página 225) . Eles foram redigidos no Alcorão, que é basicamente a Bíblia muçulmana. O Alcorão é a versão criada dos ensinamentos que Mohammed pregou enquanto ele estava vivo. Um segundo método para obter orientação para a maioria dos muçulmanos é geralmente o al-Hadith (Tradição), um vasto sistema corporal

de histórias transmitidas sobre o que o Forecaster disse ou fez ou talvez o que era dito ou feito

em sua presença e, portanto, dado o sinal verde por ele (Fundações, página 225).

O cristianismo é uma religião muito atraente, porque parece ser tão fácil

entender e se tornar um cristão onde o Islã é muito difícil.

Há cinco momentos por dia no Islã, onde você tem que parar tudo e esperar enfrentar

Ótimo lugar e muçulmanos vão à igreja às sextas-feiras. Os cristãos são livres para orar de qualquer maneira que precisarem, a qualquer momento e ir à igreja aos domingos. A Bíblia geralmente é

diferente porque contém os ensinamentos de Jesus, o Termo direto de Deus

e muitas histórias religiosas. O Alcorão é constituído apenas pelas teorias do Profeta, que é considerada a Palavra de Deus expressa através do homem. As histórias espirituais do Islã estão em fontes distintas, como as al-Hadith, As Seis Genuínas Compilações e Jardins com os Justos (Contos, página 230).As Escrituras e o Alcorão são semelhantes no simples fato de que não podem ser redigidos até que os profetas de sua fé estejam mortos (embora Jesus tenha ressuscitado e visitado

Céu). Quando Jesus e Maomé estiveram na Terra, suas próprias histórias e ensinamentos foram passados ​​oralmente, de modo que não se deve anotá-los.

O cristianismo é uma crença religiosa na qual eles acolhem pessoas de fora para convertê-los e

amam a todos, cristãos ou talvez não, pois são todos os jovens do bem. Islam

ensina a: Considere sua responsabilidade com Kristus e tente aumentar o acordo entre

(8. 2). Quase todos os crentes são irmãos, portanto, façam serenidade entre seus amigos (49. 11). Lute contra os idólatras como um todo, pois eles lidam com todos vocês

juntos, e saiba que Kristus está com os justos (9. 36) (site de Nawawi

232). Produzir paz envolvendo os irmãos, maneira de fazer tranquilidade com outros muçulmanos. Se você não é realmente muçulmano, não é um dos irmãos deles. Eles também dizem

lutar contra os idólatras, o que significa lutar contra aqueles que não se consideram muçulmanos. Essa comunicação para odiar aquele que não é da mesma religião é o completo

oposto ao da mensagem do cristianismo. Acredito que é por isso que os muçulmanos se sentem compelidos a bombardear outras pessoas e combater guerras sagradas. Este é certamente outro motivo

pelo qual o cristianismo é mais atraente. Igualmente o Islã e o Cristianismo proporcionam uma

habitação infinita e recompensadora, caso você viva uma vida justa aqui no planeta e

o dever real de Allah ou Deus. Os crentes cristãos acreditam que sua recompensa por qualquer vida justa é ir ao Paraíso. Para os muçulmanos, o prêmio por perseguir os 5 elementos-chave do Islã são moradias agradáveis ​​nos Jardins da Eternidade (Nawawi, página 232).

Estas são as únicas razões para obter as religiões, para começar. O objetivo substancial de ambos usados ​​é efetivamente alcançar um pacífico que seja um bom presságio. Por mais significativo que seja a pobreza pós-vida, o cristianismo oferece inferno para aqueles que vão contra o Todo-Poderoso e não são perdoados por pecados. Heck é uma grande condenação eterna [n]: condenando cheio de auto-aplicação

e duradoura. O inferno é conhecido como um impedimento do pecado, ajudando a tornar as pessoas ainda mais inclinadas a viver vidas santas e justas. Como o Céu é realmente uma recompensa destinada a viver uma vida justa

, o inferno é um castigo por viver uma vida inteira de pecado. Não temos certeza do

Islã, embora a publicação fale sobre Alá conservando alguém através do

Fogo e Fogo permanecendo definido como Terrível (página 232 de Nawawi). Vou inferir que esse tipo de

significa que os dois têm uma marca punitiva como profana e incrédula.

O Islã e o Cristianismo têm restrições alimentares. Os muçulmanos não podem comer do amanhecer ao pôr do sol durante o mês do Ramadã. Alguns cristãos rapidamente na sexta-feira Muito boa

e também desistiram de sua comida de grife durante todo o período do Advento.

Os cristãos celebram o começo, a morte e a ressurreição de Jesus como a única celebração religiosa que os muçulmanos precisam para meu entendimento é o mês sagrado do Ramadã. Eu realmente não sei por que eles comemoram, mas eu sei que eles celebrarão o nono mês em seu calendário lunar que é certamente o ay mês do Ramadã. Pessoalmente, pensamos que o cristianismo é, na verdade, uma religião muito mais fácil de lidar com o fato de ser exatamente o mesmo resultado final que o Islã. O cristianismo também tem muito menos trabalho envolvido. Eu admitiria que o cristianismo é realmente uma religião muito mais prática

. Definitivamente, menos tempo e esforço são dedicados à oração e à retidão com o cristianismo. Além disso, é muito mais crível para mim que Jesus era seu Filho de Deus do que pensar que Maomé foi visitado por simplesmente um anjo que lhe disse como lidar com isso. Eles estavam indo bem, mesmo que a mensagem islâmica não seja quieta

tão boa quanto a cristã. Apoiar a todos, caso contrário vocês, irmão e irmã, é uma boa mensagem para dar e é uma maneira excepcional de manter a terra em paz, mesmo que você não seja cristão. É por isso que o cristianismo é uma crença religiosa consideravelmente mais bem-sucedida e é mais poderosa do que o islã jamais será. O cristianismo e o islã são basicamente um dos mesmos. Ambos terão 1 Deus com a mesma filosofia básica. Ambos têm uma mensagem de texto sagrado com os ensinamentos de seus profetas, juntamente com contos religiosos. Ambos os métodos são muito eficazes, embora o cristianismo tenha um desempenho na parte inferior da perna de acordo com sua conveniência e sua disposição particular em levar outros e converter todos eles.Essas crenças existem há quase dois anos

mil anos e continuarão a se esforçar pela história.

Bibliografia

Cristianismo: Dominando o mundo para Cristo Alfred J. Andrea e Adam H. Overfield, orgs. Registro Individual I. (Boston: Houghton Mifflin Co. 1998) 198-199. Islã: submissão universal a Deus Alfred J. Hazel e Adam H.

Overfield, eds. Man Record I. (Boston: Houghton Mifflin Company. 1998), 223-224.

Nawawi, imã. Jardins com os justos reimpressos em Alfred J. Andrea e James H. Overfield, orgs. Ser humano Record I. (Boston: Houghton Mifflin Company. 1998)

230-233. O Alcorão Alfred M. Andrea e James. Overfield, eds. Human Record. I. (Boston: Houghton Mifflin Co. 1998), 225-226. Os fundamentos da vida islâmica Alfred L. Andrea e James L. Overfield, orgs. Registro humano I.

(Boston: Houghton Mifflin Co. 1998), 225. Os contos da tradição Alfred J.

Hazel e Wayne H. Overfield, orgs. Registro individual Minha esposa e i. (Boston: Mifflin Co. 1998) 229-230. Seleção e unanimidade no Islã Alfred T. Andrea e James Eles fariam.

Overfield, eds. Human Record I. (Boston: Mifflin Company. 1998), 253-234

Religião

Você precisa escrever um ótimo ensaio temático?

Nossos escritores seguem rigorosamente as instruções enviadas. Eles garantem que todos os pedidos atendam aos requisitos fornecidos e superem as expectativas do cliente.

Verifique o preço